Sign In
<img alt="" src="http://sp.pgadvogados.com.br/PublishingImages/Noticias/noticias.jpg" width="3844" style="BORDER: 0px solid; ">

Notícias

Da Distribuição Dinâmica do Ônus da Prova

Da Distribuição Dinâmica do Ônus da Prova

​​​O novo Código de Processo Civil, instituído pela Lei 13.105/2015, trouxe alterações no tocante às provas, notadamente no que diz respeito à chamada distribuição dinâmica do ônus da prova.

A regra fixa que distribui o ônus da prova de acordo com a natureza do fato alegado restou mantida pelo novo CPC: ao autor cumpre provar os fatos constitutivos de seu direito; ao réu, a alegação de fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor (artigo 373). 

Contudo, o legislador optou por positivar a distribuição da dinâmica do ônus da prova, prevendo-a, expressamente, no § 1º do já mencionado art. 373, permitindo a distribuição do ônus da prova para aquele que estiver em melhores condições de provar.

A distribuição dinâmica do ônus da prova incidirá sob a presença de determinadas condições materiais e processuais. Do ponto de vista material, ensina a melhor doutrina que, para que ocorra essa dinamização do ônus da prova, deve-se apontar a não incidência, por inadequação, do caput do aludido dispositivo legal. Já sob a perspectiva processual, as condições para essa dinamização são a motivação da decisão (deve haver uma razão pela qual não incide o art. 373, caput do CPC, bem como devem ser expostos os motivos que levaram o juiz a considerar que a parte a princípio desonerada da prova tem maior facilidade probatória diante do caso concreto) e a atribuição do ônus da prova com a correlata oportunidade de provar.

Há que se destacar que a decisão de redistribuição do ônus da prova não pode gerar “situação em que a desincumbência do encargo pela parte seja impossível ou excessivamente difícil” (art. 373, § 2º CPC/2015). Significa dizer que não se poderá promover a dinamização do ônus da prova “se a atribuição do encargo acarretar uma probatia diabólica reversa, isto é, incumbir a parte contrária, a princípio desonerada, de uma prova diabólica . 


A distribuição dinâmica do ônus da prova pode se dar tanto por convenção das partes (art. 373, § 3º), por lei, ou por convenção judicial e extrajudicial (art. 373, § 4º CPC/2015). 

Como exemplo da convenção judicial, destaca-se o artigo 6º, VIII, do Código de Defesa do Consumidor, que faculta ao juiz inverter o ônus da prova, em favor do consumidor, quando a seu critério “for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências”. Exemplo: o consumidor hipossuficiente não possui condições de obter acesso ao atendimento realizado via telefone ou mesmo às ordens de serviço geradas para a resolução dos problemas em produtos ou serviços. 

Ainda com relação à convenção judicial, preceitua o artigo 373, § 4º do CPC/2015 que esta pode dar-se antes ou durante o processo, relevando dizer que a divergência jurisprudencial sobre a possibilidade de inversão do ônus da prova no momento de prolação da sentença restou superada por ocasião do julgamento do Recurso Especial 802.832/MG, da relatoria do Ministro Paulo de Tarso Sanseverino, da 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça, onde se reconheceu a inviabilidade de inverter o ônus da prova somente na sentença, devendo a inversão ser determinada antes da sentença e, preferencialmente, na fase de saneamento do processo. 

Pelo exposto, em havendo necessidade e desde que preenchidas as condições materiais e processuais para a distribuição dinâmica do ônus da prova, o juiz poderá distribui-lo entre os integrantes da relação processual, de acordo com a maior facilidade ou excessiva dificuldade de conseguir a produção da prova necessária ao deslinde da demanda. 

Como se vê, as novas mudanças introduzidas pelo Código de Processo Civil, no que tange à distribuição dinâmica do ônus da prova, visam a uma tutela jurisdicional adequada e efetiva mediante um processo justo, isonômico e organizado a partir da ideia de colaboração entre os integrantes da relação processual. 

_______________________________________________________
MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sérgio Cruz e MITIDIERO, Daniel, in Código de Processo Civil Comentado, 1ª edição,2015, Revista dos Tribunais.

Dra. Rosana Favaro, advogada do Pires e Gonçalves, especialista em Direito Constitucional e Administrativo.​​​

Alphavile - SP

Al. Rio Negro, 161, 11°andar - cjs. 1101 e 1102

Alphaville - Barueri - SP - CEP ZIP CODE : 06454-000

Tel Phone .: (55 11) 3038-3888

São Paulo - SP

Av. Brig. Faria Lima, 1226, 5ª andar

São Paulo - SP CEP ZIP CODE : 01451-915

Tel Phone .: (55 11) 3038-3888