Sign In
<img alt="" src="http://sp.pgadvogados.com.br/PublishingImages/Noticias/noticias.jpg" width="3844" style="BORDER: 0px solid; ">

Notícias

Brasil pode ser atingido pelo fim da neutralidade da internet nos EUA?

Brasil pode ser atingido pelo fim da neutralidade da internet nos EUA?

Essa semana um conjunto de advogados-gerais dos Estados Unidos, liderados Eric Schneiderman, de Nova York, ingressaram com uma série de processos judiciais para tentar reverter a decisão da agência regulatória da internet, a FCC - Federal Communications Comission – de acabar com a neutralidade da rede.

 

A alegação dos processos é que a decisão da FCC fere leis federais americanas e da própria internet, que tem como princípio básico que todos os dados, não importando se fotos, vídeos ou e-mails, sejam tratados da mesma maneira. Com o fim da neutralidade, os provedores terão poder de decidir o que tarifar para entregar ao usuário, prejudicando consumidores.

 

Em matéria publicada pelo Estadão, a Mozila organização não-governamental responsável pelo navegador Firefox, afirma que as novas regras da FCC podem causar danos a empreendedores digitais, que poderiam ser forçados a pagar taxas para conseguir que seus serviços e conteúdo sejam entregues aos consumidores.

 

A decisão dos criadores da internet causou temor no mundo todo porque abre um precedente para que isso aconteça em outras localidades. No Brasil, o direito da neutralidade é garantido pelo Marco Civil da Internet, assinado pela ex-presidente Dilma em 2016. Em entrevista concedida ao jornal El País, Sérgio Amadeu, membro da Comitê Gestor da Internet (CGI), diz que o maior risco é bloquear a inovação na rede. "Hoje, a legislação garante igual acesso a todas as empresas que queiram lançar serviços e produtos na internet. Com a quebra da neutralidade, você burocratiza, e pode obrigar aos criadores de novos aplicativos e ferramentas a terem que negociar com as operadoras o acesso aos seus serviços".

 

Apesar do Marco Civil garantir o direito a neutralidade no Brasil, a decisão FCC abre discussão para modificar a legislação brasileira. Segundo matéria da Agência Brasil, "o Sindicato Nacional de Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (Sinditelebrasil) defendeu a flexibilização das regras para garantir o que chamou de "neutralidade inteligente"".

 

Ainda segundo a matéria, a entidade defende que os provedores possam gerenciar o tráfego de modo a melhorar a experiência do usuário. "O setor de telecomunicações é a favor da neutralidade da rede aplicada de forma inteligente, permitindo às empresas gerenciar o tráfego nas suas redes com o objetivo de melhorar a qualidade e a experiência do usuário. Não deveria haver regra para interferir na gestão do tráfego das prestadoras de telecomunicações. Bastaria a lei reforçar que é assegurado aos interessados que o uso das redes se dê de forma não discriminatória, garantida pela fiscalização da agência reguladora", propõe a entidade.

 

O fato é que a decisão da FCC trouxe novamente a discussão à tona e pode influenciar a decisão de outras localidades. O grande desafio de regular a internet é a reverberação do assunto para posicionamentos diferentes e estamos presenciando isso com a discussão sobre a neutralidade, que até então era uma questão pacificada.

Alphavile - SP

Al. Rio Negro, 161, 11°andar - cjs. 1101 e 1102

Alphaville - Barueri - SP - CEP ZIP CODE : 06454-000

Tel Phone .: (55 11) 3038-3888

São Paulo - SP

Av. Brig. Faria Lima, 1226, 5ª andar

São Paulo - SP CEP ZIP CODE : 01451-915

Tel Phone .: (55 11) 3038-3888