Sign In
<img alt="" src="http://sp.pgadvogados.com.br/PublishingImages/Noticias/noticias.jpg" width="3844" style="BORDER: 0px solid; ">

Notícias

Dia do Consumidor – a evolução das relações consumeristas diante dos novos formatos

Dia do Consumidor – a evolução das relações consumeristas diante dos novos formatos

O dia 15 de março de 1962 foi um marco nas relações de consumo. O então presidente dos Estados Unidos, John Kennedy, fez um discurso ressaltando que seria um direito dos consumidores acesso à segurança, à informação, à escolha e principalmente a serem ouvidos.

 

Essa visão, que à época foi motivo de muitas discussões e estudos, se tornou o primeiro pensamento sobre os direitos do consumidor. A evolução das discussões culminou na primeira comemoração ao dia do consumidor, em 15 de março de 1983, se tornando oficialmente a data onde se reflete sobre o assunto.

 

O pensamento de Kennedy continua figurando entre os direitos básicos do consumidor, porém em 56 anos muitos formatos mudaram. As lojas individuais deram espaço a conglomerados de shoppings, grandes magazines, redes de lojas até a quebra da barreira física com o surgimento da internet, que trouxe novos desafios para a Justiça.

 

Na década de 1960, a relação de consumo se resumia a ir a uma loja, escolher o produto e pagar na hora para o lojista. Com a internet, o volume de players envolvidos nessa relação de consumo cresceu. Não temos apenas a figura do vendedor e do comprador, agora existem as empresas meio, que são fundamentais para que a compra ocorra.

 

Nesse sentido, podemos citar dois modelos importantes: os meios de pagamentos e as empresas de logística, responsáveis pela entrega. Quando falamos sobre os meios de pagamentos, a cadeia traz players com atuações bem definidas e nesse sentido é importante que todos – consumidores e operadores do Direito - compreendam como funciona a cadeia que envolve: bancos, bandeiras, adquirentes e subadquirentes.

 

Outra questão que tem impactado muito as relações de consumo pelo avanço da internet é a questão logística. Cresceu tanto a demanda por entregas por conta das vendas online, que surgiram novas modalidades de entregas.

 

Hoje é possível contratar uma empresa para buscar um remédio específico sem estar atrelado a um estabelecimento. Outra forma nova é a entrega de refeições. Os restaurantes não precisam mais ter uma frota própria de entrega. Basta fechar parceria com empresas que concentram pedidos de vários estabelecimentos de uma região.

 

Quando procuramos na rede, é possível encontrar uma série de startups que estão investindo em logística. Entrega segmentada, de bicicleta para ser mais rápido e sustentável, todos impulsionados pelo crescimento das vendas online.

 

Esse cenário também trouxe desafios para os escritórios que atuam com questões consumeristas. Eles passaram a atuar dentro das áreas de negócios, criando estratégias de prevenção de reclamações, redução do provisionamento de indenizações e business intelligence. O PG Advogados foi pioneiro nessas tecnologias com a implantação de sistemas de gestão de demandas, entregando aos clientes informações qualificadas para tomada de decisão. A banca se especializou também em governança jurídica para auxiliar os departamentos jurídicos a gerirem suas demandas de forma estratégica.

 

Todos esses desafios mostram como as relações de consumo evoluíram e como a educação para o consumo é um objetivo a ser perseguido sempre.

 

Ellen Gonçalves, Sócia no escritório Pires e Gonçalves Advogados.

Alphavile - SP

Al. Rio Negro, 161, 11°andar - cjs. 1101 e 1102

Alphaville - Barueri - SP - CEP ZIP CODE : 06454-000

Tel Phone .: (55 11) 3038-3888

São Paulo - SP

Av. Brig. Faria Lima, 1226, 5ª andar

São Paulo - SP CEP ZIP CODE : 01451-915

Tel Phone .: (55 11) 3038-3888